ncpem578840.fig1

Em 16 de maio de 2016, por Luciano Pimenta.

Enquanto os primeiros cientistas focavam nos testículos como fonte de testosterona, os pesquisadores médicos atualmente sabem que o primeiro passo para a produção de testosterona começa no CÉREBRO. Esta cascata bioquímica começa na parte do cérebro conhecida como hipotálamo, que segrega o hormonio liberador de gonadotropina (GnRH). Este hormônio, em seguida, sinaliza a glândula pituitária, para produzir o hormonio folículo-estimulante (FSH) e o hormonio luteinizante (LH). Os níveis normais de FSH fazem os testítculos produzirem esperma, enquanto que o LH estimula produção de testosterona através das células de Leydig nos testículos. Enquanto o homem ao início da vida conta com 700 milhões de células de Leydig, ele começa perder seis milhões dessas células anualmente após os 20 anos de idade. –  Morales A, Tenover JL. Androgen deficiency in the aging male. Urological Clinics North America 2002; 29(4): 975-82.

Depois de secretada na corrente sanguínea pelas células de Leydig, a testosterona pode seguir alguns caminhos diferentes. A testosterona não ligada à SHBG, é conhecida como a testosterona livre, e é dessa forma que ele pode exercer sua potente ação anabolizante e efeitos androgênicos no corpo humano. Através da ação da 5-alfa-redutase, uma enzima encontrada em vários tecidos mas especialmente na glândula da próstata, a testosterona pode ser convertida em di-hidrotestosterona (DHT). A aromatase, enzima encontrada nas células da pele, gordura, osso e cérebro, altera a testosterona em estrogênio (que não é apenas um hormônio, mas vários compostos relacionados).

Um estudo de 2015 analisou o uso do medicamento Clomifeno em jovens obesos com baixos níveis de testosterona. Com níveis basais de 233 ng/dl de testosterona, após 3 meses com o tratamento de clomifeno 25mg, em dias alternados, os jovens tiveram aumento para 581 ng/dl. Ocorreu o aumento esperado do FSH, que também ajuda homens inférteis. (https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26844009)

Um fitoterápico que também pode ser útil é Ashwagandha. Ashwagandha estimula a melhora da produção de testosterona por estímulo cerebral, via aumento do LH. Um estudo verificou que após 3 meses de suplementação com Ashwagandha verificou um aumento de 36% do LH e 17% da testosterona.  (http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3863556/)

Regra geral, o uso crônico de hormônios (ex: testosterona) acredito que deva ser a última etapa após esgotadas todas anteriores para favorecer a natural produção do corpo. Para ser mais claro: o uso de hormônios deve ser considerado (com o acompanhamento de médico especialista!) quando o corpo não mais tiver capacidade de produção própria. Bastante lógico, não é mesmo?

Evidentemente, o uso de qualquer medicamento deve ser feito sob acompanhamento médico!

Referências científicas:

Reprod Syst Sex Disord. 2015 Dec;4(4)

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26844009

http://conradoalvarenga.com.br/o-citrato-de-clomifeno-na-pratica-andrologica-e-no-manejo-da-infertilidade-masculina-entenda-os-efeitos-desta-medicacao-off-label-no-brasil-e-nos-estados-unidos/

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22044663#

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24657837

http://jeffreydachmd.com/clomid-for-low-testosterone-part-one/

Ashwagandha and Testosterone: Potent Adaptogenic Testosterone Booster and Cortisol Suppressant

http://www.drdekel.com/content/clomiphene-citrate-effects-testosteroneestrogen-ratio-male-hypogonadism

http://www.alessandrorossol.com.br/blog/eficacia-do-citrato-de-clomifeno-clomid-em-homens-inferteis-com-testosterona-baixa/

http://conradoalvarenga.com.br/blog-internas/41-o-citrato-de-clomifeno-na-pratica-andrologica-e-no-manejo-da-infertilidade-masculina-entenda-os-efeitos-desta-medicacao.html

http://jeffreydachmd.com/clomid-for-low-testosterone-part-one/

Anúncios